ATR

Confira o ATR de Abril 2018.

Saiba Mais..

Açúcar

Saiba sobre a cotação semanal do Açúcar. Atualizado em 13/06/2017

Saiba Mais..

Etanol

Cotação semanal do Álcool Anidro Combustível e Hidratado. Atualizado em 24/11/2017.

Saiba Mais..

Combustíveis: demanda pode superar oferta em até 17 bi de litros em 2024, estima UNICA

A demanda por combustíveis do Ciclo Otto (etanol e gasolina) pode superar a oferta interna em até 17,4 bilhões de litros em 2024, de acordo com cálculos da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA). Esse "gap energético" é em volume de gasolina equivalente e considera o aumento da frota de veículos e a ausência de novas refinarias, além de incorporar um cenário de estagnação na produção de álcool pelas usinas e destilarias do País.
Dos cenários traçados pela entidade, esse seria o pior. Ainda assim, mesmo que a fabricação do biocombustível entre em expansão constante, a diferença cairia para apenas 11,6 bilhões de litros de gasolina equivalente. Os números da principal associação sucroenergética do Centro-Sul do Brasil são mais preocupantes do que os projetados pelo governo.
Para o Ministério de Minas e Energia (MME), o "gap energético" pode alcançar 8,5 bilhões de litros em 2024, com produção de 31 bilhões de litros de gasolina e consumo de 29 bilhões de litros de etanol, frente uma demanda total de 68,5 bilhões de litros - todos os volumes em gasolina equivalente.
Caso se concretize, esses 8,5 bilhões de litros previstos pelo MME representariam um crescimento de aproximadamente 550% em relação ao "gap" de 1,3 bilhão estimados já para este ano. Consequentemente, a perspectiva que se traça é de aumento das importações de gasolina para atender à demanda interna.
Em evento ontem em São Paulo, o superintendente de Abastecimento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Aurélio Amaral, defendeu investimentos em infraestrutura portuária justamente para comportar as compras do combustível fóssil.
"Há interesse de grandes grupos nacionais e estrangeiros" em investir nos portos brasileiros, destacou. Os terminais do Norte e do Nordeste seriam os mais diretamente ligados a essas importações, concluiu ele, citando estudo feito pela ANP a respeito do assunto.


Fonte: Agencia Estado

Parcerias

Pernambuco Equipamentos de Proteção Individual Ltda